Vila Vintém comemora o dia da Favela

A Vila Vintém comemorou o dia da favela em um evento promovido pela Central Única das Favelas – CUFA. A favela fica localizada em Padre Miguel, zona oeste do Rio de Janeiro, e contou com apresentações culturais, debates, shows, além do lançamento do livro “Pais e Terras – Contos e Poesias”, escrito pela poeta Mery Onírica.

O evento, que aconteceu no Creib de Padre Miguel e no Espaço Cultural Marcio Conde, teve como principal objetivo a reflexão sobre esse dia de luta e resistência e homenageou o cantor e compositor Arlindo cruz, uns dos maiores sambistas do país. Arlindo tem diversas composições que citam a favela como protagonista. O produtor cultural Uallace Rodrigues, falou sobre a importância desse dia “Eu estou feliz de comemorar esse dia porque é uma vitória nossa. Nós somos potência, e a nossa união faz com que a gente consiga estar hoje no meio dessa pandemia e toda essa negligência, e mesmo assim estamos sobrevivendo com alegria, lutando mas com muita felicidade”, conta.


Foto: Patricia Felix

O grupo teatral Gudi Hud, se apresentou no evento e trouxe reflexões sobre a favela. Gudi Hud é uma escola especializada em oferecer serviços de formação teatral e produz espetáculos. O diretor Hudson refletiu sobre o que é ser morador de comunidade “Eu sou um homem favelado, e teve um questionamento que estava surgindo que era: O que é ser favelado? É o sujeito político, que se articula, que constrói redes, que é criativo, porque para você morar em uma comunidade, muita das vezes você precisa pensar rápido, ser pró-ativo. Ou seja, muitas questões são atravessadas neste universo, e a arte é um caminho de transformação. Então quando a gente está hoje aqui, pensando a arte e a cultura, pensando esse dia, com artistas locais, o que você quer de melhor, né? Estamos aqui nos afirmando quanto sujeitos, pessoas e artistas, e construindo redes com outras vozes.”


A poeta Mery Onírica, lançou o seu livro e falou sobre esta comemoração “Eu acredito que esse dia é uma conquista e uma

alegria.” Ela recitou uma poesia de seu livro onde fala sobre o tempo e a memória.


Foto: Patricia Felix

Patrícia Felix, conselheira tutelar mais votada da história, marcou presença na ação e falou sobre o que a favela significa para o Brasil “Nós somos a maior parte da população. Nas favelas nós que construímos os empregos primários, então a mão de obra vem da comunidade. Nós precisamos de respeito, consideração, de transporte digno, de valorização profissional. O povo precisa de dignidade para continuar contribuindo. Porque assim o favelado começar a se conscientizar que ele é importante para a sociedade. Esse data é importante por isso, para refletir e entender nosso lugar”, diz.


O dia da favela é comemorado, pois a palavra surgiu em 1900 pela primeira vez em documentos oficiais, se referindo a primeira comunidade do Rio de Janeiro, o morro da providência. Este dia serve não só para comemorar, mas para também refletirmos sobre a potência que a favela é e sobre desafios diários que sofre. Seja por conta de tiros, enchentes e preconceito, a favela mostra sua força e como sabe lidar com as adversidades. A maior população de favelas do Brasil está localizada na cidade do Rio de Janeiro.




A Cufa pediu reflexão sobre o potencial da favela e promoveu eventos em homenagem a este dia em diversas regiões do Rio, além de escolas municipais, entre as favelas estão: Caixa d’agua, Coqueiral, Jacarezinho, Complexo do Alemão, Borel. Babi Cruz, esposa de Arlindo Cruz também marcou presença.


121 visualizações