TV Portal Favelas apresenta Programa Arte Contempolítica: Arte, Cultura e Pandemia. Como será 2021?

Atualizado: Jan 7

No Arte Contempolítica desta quinta feira, 07/01, às 21h, vamos bater um papo sobre arte, cultura e pandemia. Salve 2021! O ano de 2020 foi um ano muito difícil, em todos os sentidos. Convivemos com as crises sanitária, social, econômica e política. Ano em que o Brasil foi exposto ao mundo como país desorganizado, desestruturado e atrasado. Fechamos o mês de dezembro entre os países com maior número de mortes por Covid-19; e também entre os sem plano para o enfrentamento à pandemia. O desprezo pelas vidas foi à tônica de 2020, onde até a questão da vacinação pública, dever do Estado, foi e continua sendo motivo de barganha política, chacota e apreensão. Afinal, porque Bolsonaro não quer a vacinação já? Como vamos sair dessas tantas crises? Assista no link abaixo.

O ano virou e com 2021 vieram as posses dos prefeitos e parlamentares eleitos e reeleitos nas eleições municipais. Há um quê de esperança no ar depois que governadores e prefeitos anunciam planos locais de vacinação. São notícias que de certa forma amenizaram aquela sensação de abandono total que havia no coração povo brasileiro. Há muita gente acreditando e torcendo para que esse grande sofrimento tenha fim, ou amenize bastante no decorrer desse ano. Dá para sonhar com o tal “novo normal” como um período mais ameno já para esse ano?


Por outro lado, há estudos que mostram que mesmo que a vacinação tenha êxito e consiga estancar a expansão do covide-19, as consequências e problemas da doença não terminarão com o fim da pandemia. Um exemplo são as sequelas do vírus e suas influências psicossociais, que continuam por meses, numa recuperação lenta, que causa problemas como depressão e ansiedade, dentre outras. A situação fica mais complexa quando juntam a essas dificuldades as questões econômicas e o desemprego, que hoje atinge números alarmantes. Como vamos lidar com as sequelas da doença e com o grande desemprego que assola o país?


Mesmo com a Lei Aldir Blanc, 2020 foi um ano muito difícil para a Cultura no Brasil. O que já andava muito ruim piorou ainda mais com pandemia, principalmente para quem vive da arte. O setor cultural teve que se reinventar. A maioria das ações culturais foi realizada online, através das famosas Lives. Lei Aldir Blanc atuou em três modalidades; no inciso I trouxe o auxílio emergencial aos artistas e trabalhadores, no inciso II o subsídio aos espaços e atividades culturais e no III tivemos o fomento, através dos editais de seleção de projetos cultuais. E agora como vai ficar a cultura? Com tantas urgências que se acumulam no país será que vai ter dinheiro suficiente para a cultura?


Convidades:

Ariane Barbosa

Psicóloga graduada pela Universidade Estácio de Sá. Luta pela igualdade dos direitos das mulheres desde a infância. Há ano trabalha na área social. Tem curso nas áreas de gênero e etnia.


Auda Piani Tavares

Mestra em Planejamento do Desenvolvimento Sustentável pelo Núcleo de Altos Estudos da Amazônia/UFPA. Tem pesquisa na área de Patrimônio Imaterial e Saberes, livro e artigos publicados.


Naldinho Freire

Naldinho Freire é cantautor paraibano, atualmente dedica-se ao trabalho musical “sem chumbo nos pés”, álbum lançado em 2019.


Comunicadores:

Álvaro Maciel e Rumba Gabriel