Rebeca Andrade – Conheça a trajetória de uma vencedora

Por Álvaro Maciel


Rebeca Andrade. Foto: Miriam Jeske/Brasil2016.gov.b



Jogos Olímpicos 2021

Os Jogos Olímpico 2021 acontecerão nesse mês na capital japonesa, Tóquio, entre 23 de julho e 8 de agosto de 2021. Eles estavam inicialmente programados para julho e agosto de 2020. Devido a pandemia covid-19 mas foram adiados. Conheça a trajetória de Rebeca Andrade e saiba por que a ginasta conquistou o coração do povo brasileiro.



Biografia

Em 2012, com apenas 13 anos de idade e em seu primeiro campeonato como profissional, Rebeca tornou-se campeã do Troféu Brasil de Ginástica Artística, superando ginastas de renome no cenário nacional, como Jade Barbosa e Daniele Hypólito.


Especialidade: Salto e Barras assimétricas.

Nascimento: 8 de maio de 1999 (22 anos).

Modalidade: Ginástica Artística Feminina.


O Início

Rebeca Andrade nasceu em Guarulhos (SP) numa família simples, onde convive com mais sete irmãos. Teve uma infância bastante difícil. Sua mãe, empregada doméstica, sempre apoiou a filha, mas foi sua tia que a levou ao Ginásio Bonifácio Cardoso, local onde trabalhava, e com apenas quatro anos de idade a menina deu os primeiros passos na modalidade. Seu meio de transporte para chegar aos treinos era a bicicleta. Bem cedo recebeu o apelido de “Daiane dos Santos Dois" por sua desenvoltura nos aparelhos.


Conquistas

Com 13 anos, em 2012, brilhou em seu primeiro campeonato como profissional. A jovem se tornou campeã do Troféu Brasil de Ginástica Artística, superando grandes nomes da modalidade nacional, como Jade Barbosa e Daniele Hypólito. Rebeca faria sua estreia em competições internacionais com a Seleção Brasileira três anos depois, onde conquistou a medalha de bronze nas paralelas assimétricas, na Copa do Mundo de Ginástica, em Ljubjana, na Eslovênia. Em 2017, a atleta conseguiria seu primeiro ouro em competições adultas, após vencer a prova de salto sobre a mesa na etapa de Koper, também na Eslovênia, feito repetido em Varna, na Bulgária, onde garantiu dois ouros, no salto sobre o cavalo e nas barras assimétricas. Veio 2018 e a ginasta disputou mais uma etapa da Copa do Mundo, e somou mais dois ouros em seu curríulo: no salto sobre o cavalo e na trave.


Momentos difíceis


Em 2019, em Stuttgart, também em território germânico, Rebeca conquistou o primeiro lugar na disputa por equipes. Neste mesmo ano Rebeca sofreria com uma contusão que a afastaria das competições e a levaria a três cirurgias.


Declarações de Rebeca nas Redes


Em junho de 2019 Rebeca usou uma de suas redes sociais para anunciar a triste notícia da lesão em seu joelho e, ao final deixou uma mensagem positiva , quanto falou com firmeza a seus seguidores que se dedicaria dia após dia até se recupera 100%.


"Oi gente, Eu sofri uma entorse no joelho direito durante minha apresentação no solo no Campeonato Brasileiro de GA. A equipe médica do COB me avaliou e fiz Ressonância Magnética que evidenciou lesão do meu Ligamento Cruzado Anterior. Irei passar por cirurgia ainda essa semana para reconstrução do meu ligamento. Infelizmente aconteceu essa lesão, mas tenham certeza que não descansarei um dia até estar 100% outra vez."

A volta por cima em 2021 - Alegria completa com o funk "Baile na Favela" do MC João


Apesar das três cirurgias e de ficar um longo tempo sem competir, no mês passado, junho, às vésperas da Olimpíada, o Brasil assistiu a recuperação plena de sua principal ginasta: Rebeca Andrade venceu o individual geral no Pan Americano e garantiu sua vaga em Tóquio.

Ginastas brasileiras posam para foto após a competição — Foto: Ricardo Bufolin/CBG



A seleção brasileira conquistou a primeira colocação na competição por equipes, com Rebeca, Lorrena Oliveira, Christal Bezerra, Julia Soares e Ana Luiza Lima. As ginastas brasileiras brilharam. Além disso o principal objetivo do Brasil no Campeonato Pan-Americano de Ginástica foi alcançado. Rebeca cumpriu sua promessa de dar , literalmente, a volta por cima ao conquistar o primeiro lugar no individual geral e ficar com uma das duas vagas para os Jogos Olímpicos de Tóquio que estavam em jogo na Arena Carioca, no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro. A atleta do Flamengo ousou na prova individual , com direito a "Baile de Favela", do MC João, na apresentação do solo.


Vamos lá Brasil!


Essa mistura de talento, sofrimento, garra e dedicação de Rebeca Andrade dá à ginástica olímpica uma emoção a mais para o povo brasileiro. Teremos que torcer por ela, pela equipe e para que nada aconteça de errado com o seu joelho. A primeira atleta brasileira que chegou ao Japão para as Olimpíadas foi Ana Sátila, que embarcou no domingo (04) do aeroporto de Guarulhos rumo a Tóquio. O Portal Favelas saúda toda delegação brasileira!



532 visualizações