Primeira mostra de arte periférica em Honório Gurgel, segue com entrada franca



No mês da Consciência Negra a mostra Noix leva para Honório obras de 37 artistas, com o tema "pode o periférico criar?" e está aberta para visitação até 19 de Novembro de Terça à Sábado das 10h às 15h, com entrada franca.


De acordo com os organizadores, a Mostra Noix, é uma ocupação cultural que busca reunir obras de artistas crias das periferias, favelas e subúrbios do Rio de Janeiro. Em sua primeira edição, a exposição ocupa do dia 05 a 19 de novembro, o edifício Multiuso, no Parque de Madureira (Honório Gurgel). A abertura contou com apresentações, roda de conversa e muita arte.


A ocupação cultural é realizada com recursos do Fundo de Apoio de Fomento à Cultura Carioca (FOCA), organizado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria Municipal de Cultura. Inicialmente 10 artistas foram selecionados para participar do evento, mas ao todo 37 foram contemplados para expor suas manifestações artísticas que vão de pintura, gravura, fotografia, audiovisual, esculturas, dentre outras.



Uma das obras selecionadas pela curadoria foi "A mulher preta faz milagre acontecer", da artista Medusa, de 24 anos. O quadro fala sobre o esforço sobre-humano que as mães solo precisam fazer para que as contas do mês fechem. Segundo análise da autora, a obra representa todos os dias as mais velhas que fazem milagres para o florescimento das gerações mais jovens. Mulheres que se colocam sempre em último lugar para que seus descendentes possam ter um respiro e correr atrás dos seus sonhos.


O quadro é a imagem de só uma mulher, mas ela representa uma luta coletiva para a comunidade negra, sendo fruto do esforço de várias gerações que não puderam correr atrás dos seus sonhos e tiveram que abrir mão deles para que seus sucessores estivessem aqui.


A artista conta ao Portal Favelas sobre a importância da sua arte estar em contato com o público de Madureira e Honório, “Trazer o circuito artístico para Zona Norte é uma iniciativa que muda trajetórias e esse movimento traz visibilidade a artistas que perdem oportunidades por não terem fácil acesso ao eixo Centro - Zona Sul. O acesso à arte é direito de toda população, e o fomento a essas iniciativas é fundamental.


O que há de mais interessante nessa iniciativa é o movimento de retorno que vemos a partir dessa troca. As pessoas das periferias e subúrbios que de alguma forma ultrapassam os limites da falta de acesso retornam para abrir os horizontes daqueles que estão vindo agora”, conclui Medusa.



Para mais informações sobre a ocupação artística que termina nesta semana da consciência negra, acessem a página do Instagram da organização do evento:


https://instagram.com/mostranoix?igshid=YmMyMTA2M2Y=





31 visualizações