O Estado que tarda e falha

O estado falhou mais uma vez. E falhou de novo e de novo. A Comissão de Direitos Humanos da Alerj acompanhou mais um caso resultante da operação policial no Salgueiro e o desfecho dessa história não é nenhum pouco próxima a de Tiago, o jovem trabalhador que conseguimos liberar.


Além da violação de Tiago, houve outro rapaz que teve um ferimento mais grave e foi levado preso. Ele passou por uma cirurgia e teve que amputar os membros do corpo. Hoje a mãe desse rapaz faleceu. Ela morreu por não aguentar ver mais um filho nessas condições.


Tudo que essa senhora acumulou na vida foram traumas: perdeu um filho de sete anos de idade por pneumonia. Depois, outro filho foi assassinado durante uma operação policial no Salgueiro e há duas semanas, o filho mais velho foi baleado e encarcerado em uma operação que ainda não se justifica.


O sentimento que fica é de que chegamos tarde. Mas se essa lógica de segurança pública do confronto, do enfrentamento e do poder bélico não mudar, continuaremos enxugando gelo com sangue. Nós PRECISAMOS DE UM BASTA!


Não tem o que dizer pra essa família destroçada pelo descaso, pelo abuso, pela violência e pela violação de quem os deveria proteger. Morrer de tristeza, não suportar a pressão de tanto escárnio é uma realidade no estado do Rio de janeiro.

4 visualizações