Marcha de protesto e memorial das vitimas marcam um ano da chacina do Jacarezinho

Uma marcha pelas principais ruas da favela do Jacarezinho e a inauguração de um memorial, com o nome das 28 pessoas assassinadas no dia 06 de maio de 2021, lembraram um ano da operação policial militar mais letal que aconteceu numa favela do Rio de Janeiro.

Pedindo justiça para todas as vidas perdidas na Chacina do Jacarezinho, moradores e amigos do Jacarezinho se concentraram na quadra da Unidos do Jacarezinho, seguindo em caminhada para inauguração de memorial que lembra as vítimas da tragédia contando com presença de lideranças da favela e dos familiares das vítimas.

Na placa do memorial, está escrito:

“Em homenagem às vítimas da chacina do jacarezinho! Em 06/05/2021, 27 moradores e um servidor foram mortos vítimas da Política Genocida e racista do estado do Rio de Janeiro, que faz do jacarezinho uma praça de Guerra, para combater um mercado varejista de drogas que nunca vai deixar de existir. Nenhuma morte deve ser esquecida! Nenhuma chacina deve ser normalizada!"

Edilu da Silva Bezerra, mãe de Márcio da Silva Bezerra, uma das vítimas assassinadas na chacina, falou emocionada sobre todo este momento de dor, " muita dor, muita revolta. Para todas as mães, nós estamos sofrendo, como minha neta. Por que eles tiraram a vida dos nossos filhos? Porque não tirou a minha e deixasse meu filho? Eu queria estar lá e meu filho aqui".



Desde aquele 6 de maio até hoje, pouca coisa mudou. Um ano após a Chacina do Jacarezinho, a Região Metropolitana do Rio concentrou 47 outras chacinas, que mataram 174 pessoas. 33 dessas mortes aconteceram durante ação/operação policial, resultando em 126 mortos, segundo dados do Instituto Fogo Cruzado. A poucas semanas o caso mais recente da letalidade policial no Jacarezinho foi do jovem inocente Jonathan Ribeiro de Almeida, executado e deixado às margens pela polícia que não prestou socorro.

10 das 13 investigações do Ministério Público sobre mortes em operação arquivadas, 2 foram aceitas e 1 segue em andamento. Isso significa que 23 das 28 mortes tiveram inquéritos arquivados.

Todo este horror ganhou mais um enredo com o Cidade Integrada, o qual teve início em 19 de janeiro deste ano no Jacarezinho, ação que prevê obras estruturais de responsabilidade da prefeitura. Com blindados da polícia numa ocupação com mais de mil agentes de segurança no Jacarezinho, o início da ação deixou moradores da região com medo e recebeu denúncias de invasão, torturas e ameaças. Em 2021, o Jacarezinho ocupou apenas a 64ª posição entre os bairros da Região Metropolitana do Rio de Janeiro com mais tiroteios, segundo o Relatório Anual de 2021 do Instituto Fogo Cruzado.

E quando estávamos terminando esta matéria chegou a notícia da morte de um jovem durante uma operação da Polícia Militar do Rio de Janeiro, na Barreira do Vasco.

Identificado ainda apenas como Ruan, ele tinha deficiência intelectual, era um jovem negro de 27 anos, morto com 3 tiros nas costas, conforme notícias do site NewsColina, um Portal de notícias do Vasco da Gama.

Esteriótipos de sempre.

14 visualizações