• Redação

Jair Messias e o 'pai dos psicopatas'

Jair Messias e o 'pai dos psicopatas'

Psiquiatra alemão escrutinou as características de personalidades anormais



por Guido Palomba - 17.mar.2021

Psiquiatra forense, é membro emérito e ex-presidente da Academia de Medicina de São Paulo


“Personalidades Psicopáticas” é o título no Brasil do livro “Die Psychopathischen Persönlichkeiten”, de Kurt Schneider, psiquiatra alemão. A obra rendeu-lhe reconhecimento e a alcunha de “pai dos psicopatas”.


É ótima fonte para decifrar distúrbios de personalidade em tempos tensos, como os desta pandemia. Suas descrições tipológicas baseiam o diagnóstico de desvios de comportamento social, resultados da ausência de sentimentos de piedade, compaixão e altruísmo; da falta de valores éticos-morais; e da incapacidade de se reconhecer culpado. São indivíduos sem remorso e arrependimento.


Schneider destaca características de personalidades anormais. Carentes de compaixão, toscos em regra, anestesiados de senso moral. Frente ao sofrimento alheio, à morte de milhares de pessoas, não medem palavras, como “eu não sou coveiro”, “chega de frescura” e “vai ficar chorando até quando?”. Não há ressonância afetiva com a dor alheia.


Por vaidade exagerada, se acham acima de tudo, de todos. Não toleram contrariedades: reagem com expressões “quem manda aqui sou eu”, “eu sou o chefe supremo”, “faço o que quero” e outras egolatrias.


São agressivos, mal-educados e provocadores. Kurt Schneider menciona que esses sujeitos oferecem dificuldades particulares em circunstâncias militares. O desacato e a desobediência são marcas da carreira. A ​insubordinação/mau comportamento redundam em prisão, expulsão ou abandono ("Las personalidades psicopáticas"; Madrid: Morata, 1974, p. 166).


Eles são pouco inteligentes. Schneider chama-os de “antissociais que, por regra, associam-se aos oligofrênicos” (ibidem, p. 169). A inteligência limítrofe ou seletiva leva-os a praticar atos bizarros, de turrice e teimosia. O foco: o benefício próprio. Se voltarem atrás, não é por reconhecer o erro, mas estratégia momentânea. Rancorosos e vingativos, em seguida, recidivam, até com virulência. São, por todo o quadro, de periculosidade social. Nada os detêm, salvo reprimenda enérgica, judicial e legal.


Kurt Schneider se refere a esses anormais com o termo psicopatia. Preferimos condutopatia (conduta patológica, transtorno de comportamento) por ser menos genérico e autoexplicativo.

Em cargos públicos, interessa-lhes o poder para escoar as condutopatias em louvor a si mesmos. Como chefia, são tiranos. Egoístas, colocam a própria vontade e a autoridade acima das leis e da Justiça.


É comum a psiquiatras discordâncias sob uma mesma doutrina. Porém, todos admitimos que psicopatas (condutopatas, para nós) não têm cura, já que a origem do mal é orgânica e irremovível. Não raro sofreram lesões cerebrais em fase intrauterina ou em tenra idade — etapa de acelerado desenvolvimento do sistema nervoso —, impactando a formação do órgão.


Em clínica, o diagnóstico é dado quando, frente a sinais/sintomas psíquicos, comportamentais e sociais, há história concreta de possível lesão do encéfalo, no estado fetal ou nos primeiros anos.

Tudo isso para falar do segundo nome do presidente Jair – Messias – dado pela mãe, Olinda Bonturi Bolsonaro, após gravidez complicada, atribuindo a Deus o nascimento.


Gravidezes complicadas são causas de sofrimento cerebral e de consequentes distúrbios de comportamento na fase adulta — para Schneider e todos dedicados à psiquiatria.

11 visualizações