Frente democrática e solidária em ação no Jacarezinho

No sábado, dia 23 de outubro, lideranças comunitárias, do movimento negro e políticos de vários partidos participaram de um dia de mobilização contra a fome e a violência do Estado, em evento realizado na favela do Jacarezinho. Ali, nas ruas da comunidade ainda se pode ver rastros de sangue da ação mais letal das Polícias Civil e militar do Rio de janeiro, com um saldo de 28 mortes.

A liderança comunitária Rumba Gabriel, um dos principais articuladores do evento, estava muito satisfeito com o resultado e prevê que muitos outros encontros ainda virão. Ele acredita que a união das forças populares, comunitárias e de esquerda, vão conseguir dar uma virada importante neste país.

Raul Santiago, com Papo Reto, do Alemão, Michel Silva do Fala Roça, Henrique da Casa Fluminense, Rute Sales, Associações de moradores, movimentos de mulheres, quilombolas, foram algumas das fortes falas ali apresentadas.

O evento mobilizou centenas de moradores e contou com a presença de familiares das vítimas do Jacarezinho e de mães de jovens assassinadas em outros locais do Rio de Janeiro, como foi o caso do comovente relato da avó da jovem Ketlen Romeu, assassinada grávida no Lins em mais uma operação desastrosa recente da Polícia Militar.

Também estavam lá representantes do poder político do Rio, entre eles os deputados federais Benedita da Silva, Marcelo Freixo, Orlando Silva e Talíria Petroni, as deputadas estaduais Dani Monteiro, Monica Cunha e Waldeck Carneiro, além da vereadora Tainá de Paula. Também estiveram no ato a mãe de Marielle, Marinete Franco, símbolo maior desta saga contra a violência da polícia e da milícia no Rio de janeiro, ativistas do movimento negro e o conselheiro tutelar Jota Marques.

O ato reunião moradores da favela e de bairros vizinhos e prestou também uma solidariedade às mais de 600 mil vítimas da Covid no país. Marco Antonio, pai do jovem Hugo, falecido em razão da COVID aos 25 anos falou muito emocionado lembrando o seu recente depoimento na CPI da Covid.

O professor Adair Rocha lembrou de Paulo Freire para descrever o evento no Jacarezinho:

Ali naquela Quadra da Favela que sofreu há pouco o extermínio de negros na Chacina, estava um retrato do esperançar, como dizia Paulo Freire, da potência da multicentralidade da cidade, especialmente, seus territórios empobrecidos que se levantam, organicamente, como demonstra o reconhecimento da FAPERJ direcionando o Edital de nove milhões para a Favela da Rocinha. Isso é apenas sintoma do que estava na Quadra do Jacarezinho.

Depois do ato, várias pessoas foram para o evento que estava sendo realizado em Santa Teresa, de repúdio à recente presença na comunidade do deputado Rodrigo Amorim, aquele que quebrou a placa de Marielle Franco. Ele foi expulso sob vaias da comunidade e hoje, os moradores se reúnem sob a coordenação do ColetivA Santa Luta.

Participaram na produção desta matéria - Mariana Sales, Ruth Sales, Adair Rocha


79 visualizações