Exposição retrata o Brasil pelo olhar de artistas de periferias

A Exposição Origens #3 acontece em formato totalmente virtual, até o dia 30 de janeiro de 2021, com mais de 50 obras de cinco artistas que refletem os resultados da diáspora africana nas realidades periféricas em que vivem. Com curadoria de Priscila Magalhães os trabalhos, são compostos por pinturas, colagens, artes digitais e fotografias. Os trabalhos ficarão expostos no site do Festival Cultural Pangeia, com acesso gratuito. Os artistas convidados são: Isabela Alves “Afrobela”, Cauã Bertoldo, Cassimano, Paulo Chavonga e Ione Maria.

Quebras, de Cauã Bertoldo

Inicialmente planejada para acontecer fisicamente, a exposição que inclui fotografias, colagens e artes plásticas ganhou as redes. São obras que retratam nossas origens diaspóricas envolvidas no cotidiano de cada artista e podem ser conferidas através do site https://www.festivalpangeia.com/ “Transformar a exposição para o ambiente virtual proporciona um alcance maior para a reflexão sobre o tema que é Conexão Américas e África”, comenta Priscila. A diretora do festival, Pauliana Reis, fala sobre o desafio de realizar o evento em um novo formato. “Tínhamos tudo preparado para o formato tradicional e de repente nos vimos em um grande desafio de mudar completamente, alterar cronogramas e adaptar a exposição. Ao mesmo tempo que foi trabalhoso, está sendo muito gratificante ver o alcance das ações”.


Erezinhos, de Isabela Alves

Artistas Convidados:

Ione Maria: 25 anos, diretamente de Vila Albertina, SP. Colagista há 5 anos, também trabalha com design e direção de arte. A colagem, em particular, é o campo de pesquisa da artista, evidenciando a cultura afro-brasileira através do formato analógico/manual. A arte, por sua vez, vem do lugar de colocar narrativas negras em espaços dignos de realeza através das imagens que a cercam. Há o costume de criar também com amigos e familiares, costurando relações mais firmes e afetivas em seu trabalho. No design, se destaca pela linguagem afro-futurista, articulada também através do movimento independente preto, para fins comunicativos e artísticos.


Realeza, de Ione Maria


Cauã Bertoldo: Artista visual, desenvolve a identidade poética de seu trabalho desde 2014. Se expressa em técnicas de pintura diversas, dentre elas a aquarela, arte digital, grafitti etc. Sua pesquisa em arte, trata das questões do sujeito negro e queer periférico, através de retratos mergulhados em metáforas e interpretações multilaterais, onde cada um se conecta e se vê a sua maneira.


Isabela Alves - AfroBela: Multiartista e futurista. Reside no bairro Jd. João XXIII, e é nesse território que cria e desenvolve suas linguagens, trabalhando com colagem digital, tela e tinta acrílica, fotografia e escrita. Seus projetos pessoas discutem sempre sobre sexualidade e identidade, sendo o maior deles a plataforma afetiva A Perfeita Queda dos Búzios, também idealizada por Jéssica Ferreira, e residente no Teatro de Contêiner.


Cassimano: Nascido e criado na periferia de São Paulo, ainda adolescente despertou seu interesse pela fotografia nas ruas ao trabalhar como mensageiro. Em 2012 viajou para Moçambique para realizar um intercâmbio cultural e fazer o registro fotográfico dessa viagem. Desde 2016 realiza o projeto “Galeria Fotográfica de rua” projeto de intervenção urbana com suas fotografias ampliadas em grandes formatos e aplicadas em diversos suportes com colagens. Com o mesmo projeto promove cursos de fotografia, de ampliação e aplicação das