Escalada da violência na cidade integrada

22:30 do dia 08/02.
Policiais armados ocuparam lajes do Jacarezinho, inclusive de uma escolinha, e estão de tocaia.
A violência, o desrespeito e a violação aos direitos mínimos dos moradores estão ocorrendo diariamente.
É essa a cidade integrada do senhor Cláudio Castro!!!

Denúncias como esta é o que mais se escuta no Jacarezinho desde a ocupação, em janeiro.

E a denúncia se transformou em protesto depois da morte de um jovem de 23 anos de idade.

Agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) mataram João Carlos Sordeiro Lourenço, conhecido como Jota apontado pela policia como sendo gerente do tráfico da Favela do Jacarezinho.

Moradores afirmam que a polícia executou o rapaz dentro de casa, quando ele já estava rendido.

Dois dias depois, a polícia do governador Castro faz uma operação na Vila Cruzeiro com o saldo de oito mortes. A ação do Estado denota a escalada violenta por detrás de um projeto anunciado como de intervenções urbanísticas e sociais.

No Twitter, a Faferj publicou: “Um jovem foi morto no Jacarezinho (...) moradores estão fazendo um Ato agora na avenida suburbana. A principal segurança pública deve ser a segurança dos direitos da população favelada. Cidade integrada para quem?”




O termo “integrada” significa uma combinação de partes ou etapas que funcionem de forma completa. Mas o que está funcionando de forma completa no Jacarezinho? A comunidade da zona norte é a favela que mais concentra negros no Rio de Janeiro, e está sendo a população mais afetada.

De acordo com relato de moradores, um jovem foi morto dentro de casa enquanto estava dormindo, e a execução aconteceu na frente da sua mãe e do irmão. A polícia que mais mata no país, não cumpre o seu dever que é proteger uma população. O Brasil não tem pena de morte, então quando um indivíduo se acha no direito de matar o outro, sem ao menos dar a chance de se defender ou se entregar, está cometendo um crime previsto na Constituição.

A comunidade do Rio que abriga cerca de 37 mil moradores, sofreu a chacina mais letal da história. Na ocasião foram 29 mortos. Com a chegada do projeto Cidade Integrada, do Governo do Estado do Rio de janeiro, comandado pelo Governador Cláudio Castro, moradores temem uma nova chacina. Esta semana, um morador que estava indo comprar pão foi preso injustamente “Domingo um jovem foi preso ao comprar pão. Ontem eu e outro senhor fomos revistados, fui ao banheiro no bar que estávamos e um policial foi atrás de mim. Hoje um jovem foi morto e uma mãe chora no meio da rua. Isso é a cidade integrada no Jacarezinho. Eu tô desolada.”, desabafa uma moradora em sua rede social.

Segundo um levantamento do G1, com dados do Instituto de Segurança Pública, no ano passado, 944 pessoas foram mortas por policiais nas comunidades do Estado do Rio de Janeiro. O levantamento considera as mortes em operações policiais ou não. Depois da determinação do Superior Tribunal Federal, onde proibia operações durante a pandemia, os números caíram drasticamente. Mas agora com a retomada as ações nas favelas, os números estão voltando a subir.


194 visualizações