DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE – 50 ANOS DE LUTA

Orlando Guilhon(*)

(No final deste artigo voce vai poder conferir os depoimentos de lideranças comunitárias, jornalistas e parlamentares sobre o Dia Mundial do Meio Ambiente)


Neste 5 de junho a comemoração do Dia Mundial do Meio Ambiente completa seus 50 anos de existência. Nestas 5 décadas assistimos ampliar em todo o mundo a conscientização sobre a necessidade de lutarmos pela preservação do nosso Planeta. Cientistas, ativistas, estudiosos, jornalistas, ambientalistas, líderes políticos e religiosos, escritores, artistas, lideranças de movimentos sociais, e até mesmo empresários mais conscientes, ao redor do mundo, mas também aqui no Brasil, emprestaram suas vozes e seus prestígios para fazer ecoar o alerta sobre as mudanças climáticas que ameaçam nosso futuro, causadas pelas ações do homem sobre a Terra.


Apesar do aumento dessa conscientização, pouca coisa de prático se conseguiu avançar. O ritmo e a sensibilidade dos Poderes Públicos, aqui e no mundo, parece ser outro. A COP 26, em Glasgow-Escócia, a última Conferência Mundial do Clima, em 2021, não produziu grandes avanços. Queimadas, desmatamentos, poluição do ar e das águas, produção em demasia de gazes de efeito estufa continuam causando desastres ambientais no mundo todo. Derretimento gradativo das geleiras polares, aumento do nível do mar, chuvas torrenciais em áreas do Planeta, enchentes e deslizamento de encostas, secas e fome em outras áreas, aumento assustador da temperatura média da Terra, nada disso parece ser suficiente para que Governos tomem atitudes mais firmes e drásticas para minimizar esses impactos nefastos.


No Brasil, nos últimos 6 anos, só retrocesso. O atual Governo, assim como o anterior, curva-se aos interesses de madeireiros, garimpeiros, grileiros e tubarões do agro-negócio. Licença pra desmatar cada vez mais, incentivo às queimadas, apoio ao agro-negócio, desmonte das políticas anteriores de proteção do Meio Ambiente, genocídio dos povos originários, invasões das terras indígenas, criminalização do ativismo ambiental. Nos tornamos um pária ecológico aos olhos do mundo. As eleições se aproximam, e é fácil perceber como este tema será importante para a definição do voto de uma parcela importante do eleitorado. A maioria da sociedade brasileira quer mudança, está cansada de negacionismo, terraplanismo, total desprezo pela Ciência, genocídio com nossos povos ancestrais e descaso com a Natureza.


O que resta é a firme ação da sociedade civil organizada, no Brasil e no Mundo, pressionando Governos e Poderes Públicos em geral. Entidades, coletivos, movimentos sociais organizados, partidos políticos progressistas, lideranças populares e religiosas, fazem sentir sua voz por todos os cantos. Aqui no Brasil, um conjunto de entidades e coletivos, apoiados pelo ICS – Instituto Clima e Sociedade, mas também por inúmeros atores do universo da Academia e da Ciência, organizaram esta semana inúmeras iniciativas e atividades para repercutir este luta tão vital para o nosso futuro. Colagens de lambes ou de banners, grafitagem, faixaços, pedaladas ecológicas, lives, programas especiais, matérias e entrevistas em mídias populares e alternativas, festivais e atos culturais, forte ação nas redes sociais, ciberativismo, rodas de conversa, panfletagens, campanhas virtuais e presenciais, mostraram que a sociedade civil brasileira está viva e forte, e que não vai recuar.


Nós do Portal Favelas abraçamos esta causa e demos nossa modesta contribuição. Produzimos matérias especiais no nosso site, cobrimos e repercutimos atividades e iniciativas importantes de outros parceiros, produzimos artes/cards e vídeos depoimentos que circularam em nossas redes, apoiamos a criação de um belo grafite sobre o tema no Morro da Providência, e organizamos um programa especial na TV Portal Favelas, com importantes lideranças de movimentos sociais. E em nossos diversos conteúdos, procuramos mostrar porque este tema das mudanças climáticas tem tudo a ver com os moradores de favelas. Chuvas torrenciais, enchentes e alagamentos, deslizamento de encostas, desastres que matam milhares de pobres e negros em nosso País, estão intimamente relacionados com as queimadas e o desmatamento da Amazônia. Iniciativas como hortas comunitárias, coleta seletiva de lixo, obras de drenagem para fortes chuvas, acesso a saneamento público e a água potável, tudo isso interessa aos nossos moradores de favelas.

UM OUTRO MUNDO É POSSÍVEL! A AMAZÔNIA É A NOSSA CASA COMUM!

(*) Orlando Guilhon é membro da diretoria do Portal Favelas


VEJA AQUI ALGUNS DOS DEPOIMENTOS RECOLHIDOS PELO PORTAL FAVELAS SOBRE O DIA DO MEIO AMBIENTE

Octávio Costa - Presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI)


Lourenço Cesar - CEASM da Maré e Portal Favelas


Marcelo Dias - Diretor do Instituto de Pesquisas da Cultura Negra (IPCN)


Rumba Gabriel - Um dos fundadores do Portal Favelas e liderança comunitária do Jacarezinho


Renata Dutra - Repórter do Portal Favelas


Patrícia Felix - Conselheira Tutelar, liderança da Vila Vintem


Pedro Vinícius - Repórter do Portal Favelas


Carlos Minc - Deputado Estadual - ex-Ministro do Meio Ambiente

78 visualizações