Coletivo Pretaria e a crítica ao necroliberalismo


Imagem: Coletivo Pretaria Instagram Photos

O artigo assinado por Gilberto Porcidonio, do Coletivo Pretaria, genialmente intitulado "Pele negra sem máscaras brancas", faz uma sagaz análise a respeito de quem são os brasileiros que não podem interromper suas atividades e os que possuem o direito de se proteger.

Além de Franz Fanon, o texto publicado pelo coletivo de comunicação traz referências de outros intelectuais negros, como o camaronense Achille Mbembe e o afrofuturista Adirley Queirós.


Fazendo uso de astutos jogos de palavras a partir da música popular brasileira, o texto analisa a perversidade imposta pelo racismo estrutural e o necroliberalismo diante da epidemia do Coronavírus.

Leia a matéria do Coletivo Pretaria aqui.


64 visualizações