Aumento nos casos de covid causam alerta em todo país

Este mês, a taxa de transmissão do Covid-19 voltou a subir, é a maior desde julho de 2022. O alerta é para a possibilidade de uma nova onda da doença no país. Segundo dados da plataforma InfoTracker, a taxa de transmissão registrada na quarta-feira (09), é de 1,18, isso significa que 100 pessoas infectadas podem transmitir para 118 pessoas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde – OMS, há uma nova subvariante, que está sendo chamada de BQ1, ou seja, é um desdobramento da variante ômicron, que causou uma onda de casos no Brasil, no final de 2021 e início de 2022. Ainda segundo a OMS, a subvariante tem circulado em cerca de 70 países. No Brasil, pelo menos 5 estados já registraram casos.

Hoje (10), a Secretária Estadual de Saúde de Pernambuco – SES PE, registrou 4 mortes e 637 novos casos de covid, sendo 5 deles Síndrome Respiratória Aguda Grave. Já o estado do Piauí também teve aumento dos casos, mas segundo a Secretaria Estadual de Saúde do Piauí – Sesapi, o estado não deve adotar novos decretos que determinem o uso obrigatório de máscaras. Segundo o superintendente de Atenção à Saúde e Municípios da Sesapi, Herlon Guimarães, até o momento não há nenhum caso confirmado da subvariante no estado.

Um levantamento do Instituto Todos pela Saúde – ItpS, mostra que a taxa de exames positivos em laboratórios particulares passou de 3% para 17% em menos de um mês, o salto é de 566%. Esse aumento foi registrado principalmente no Sudeste e Centro-oeste, com destaque em São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso.


O epidemiologista e pesquisador da ITpS, Anderson Brito, explicou à BBC News, que a alta de testes positivos aponta para a tendência de surgimento de uma nova onda em algumas semanas.

"Provavelmente observaremos um aumento geral de testes positivos nos próximos dias, assim como aconteceu nas outras duas ondas de 2022", diz.


Já para o epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas, os aumentos registrados até agora são um sinal de alerta "Não há motivo para desespero, pois ainda não sabemos a gravidade da onda ou se os casos provocarão muitas internações e óbitos. Mas precisamos lembrar que a adesão às doses de reforço no Brasil tem sido baixa, o que não é uma boa notícia”, ", afirmou à BBC News Brasil.


Cerca 80% da população brasileira recebeu duas doses da vacina contra a covid-19, mas menos de 50% foram imunizados com uma ou duas doses de reforço, é o que apontam os dados das secretarias estaduais de Saúde.

"A vacinação é o melhor caminho para o fim da pandemia e o grande desafio é lembrar a parte da população que ainda não se imunizou ou tomou as doses de reforço disso", afirma Hallal

40 visualizações