• Redação

Associação de moradores e o poder popular no Vidigal

Por Fillipe dos Anjos Pereira*


No ultimo domingo dia 14 de fevereiro, no Morro do Vidigal, aconteceu a eleição para associação de moradores com a participação de mais de 1.600 eleitores e eleitoras. Todos os moradores e moradoras com mais de 16 anos estavam aptos a votar desde que comprovassem residir de fato na comunidade. A eleição contou com a participação de cinco chapas. A Chapa 1 saiu vitoriosa com mais de 800 votos e o novo presidente será o grande companheiro Márcio Mazola.

A participação da população nessa eleição mostra que a nossa democracia não se constrói somente nas eleições para presidente, governador, prefeito, deputado e vereador. A política não se encerra ao depositar o voto na urna. Precisamos de mais envolvimento na construção das políticas de base, políticas comunitárias onde fica mais fácil de observar que a organização popular faz a diferença. Quando a luta popular traz a água, o saneamento, a energia elétrica entre outros benefícios fica mais lógico entender que a política tem grande influência em nossa vida cotidiana.


A situação do país não é fácil. Vivemos uma crise política muito aguda e uma crise institucional gravíssima. Assistimos diariamente o executivo, legislativo e judiciário lutando freneticamente pelo controle do país. Vivemos em uma república totalmente desregulada. A corrupção nunca foi tão grande, e os partidos nunca foram tão rejeitados quanto são hoje.

Temos na presidência da república a presença de Jair Bolsonaro, figura que dispensa apresentações e que representa a recente ascensão da extrema direita no Brasil e no mundo. Bolsonaro odeia pobre, odeia os negros e negras, odeia o povo brasileiro e tem o governo marcado pela corrupção e total despreparo na gestão pública.

A eleição para associação de moradores do Vidigal mostra que a vida é política. Nada, absolutamente nada acontece fora da política. A “não política” já é em si uma política. Não existe outro caminho que não seja a organização de base e organização popular.


Nós da Federação de Favelas do Rio de janeiro sonhamos que um dia favelados e faveladas do Brasil sairão as ruas para reivindicar que as riquezas do Brasil sejam usadas para escola dos nossos filhos, para nosso saneamento, para construir nossas moradias, para dar dignidade ao nosso povo.


Essa luta é longa e já está rolando há muito tempo. A eleição do Vidigal foi só uma etapa dessa longa jornada.


* Fillipe dos Anjos Pereira

Secretário Geral da FAFERJ (Federação das Associações de Favelas do Estado do Rio de Janeiro)

147 visualizações