• carolinavaz

Saiba como usar a água sanitária para desinfectar

Atualizado: Abr 3



O cuidado com a limpeza da casa, dos objetos, animais, e principalmente das pessoas agora precisa ser reforçado. A melhor solução, todos sabem, é a água com sabão, e a segunda melhor, o álcool 70%. Porém, hoje em dia se tornou difícil encontrar esse tipo de álcool, e quando se encontra está muito caro. Por isso, a prefeitura de Contagem (MG), organizou a cartilha Higienização: Faça Certo. Solução de hipoclorito para "matar" o coronavírus.

Hipoclorito é o que conhecemos como água sanitária, ou cloro. A cartilha ensina a fazer a mistura certa de cloro com água para desinfectar objetos e superfícies, também ensina a escolher a embalagem onde ela deve ficar guardada, e que objetos podemos higienizar com esta solução.


O primeiro passo é checar a composição da água sanitária. No rótulo deve estar escrito, na parte da Composição, que a porcentagem de cloro ativo é de 2% a 2,5%. Para fazer a diluição em água da pia, é preciso: preencher uma certa quantidade (meio copo, por exemplo) de água sanitária num copo ou outro recipiente. É interessante marcar, com uma caneta ou durex, até onde se preencheu com cloro. Passar essa quantidade para um recipiente (uma garrafa, por exemplo) escuro. Depois, no mesmo copo onde se colocou o cloro, colocar 3 da mesma medida de água, utilizando-se da marca. E misturar ao recipiente escuro com cloro. Em resumo, é uma medida de cloro para três de água. A cartilha recomenda o uso de embalagens escuras, para impedir a passagem de luz solar, podendo ser um borrifador, que é mais fácil de aplicar. Esta solução pode ser utilizada para limpar: calçados (após chegar da rua), chaves, cadeados, bolsas, malas, maçaneta, luvas de motociclista, capacete, volante do carro, ferramentas de trabalho. E, também, o chão da casa, principalmente perto da porta de saída.

Para conferir a cartilha completa, clique aqui: cartilha Contagem.




139 visualizações

O Portal Favelas é uma construção coletiva de moradores de favelas, para falar de e para as favelas, por meio da integração dos diversos canais de comunicação locais ou regionais.

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Twitter