Mortes em favelas é 34% maior do que dados oficiais, segundo documento publicado pela Fiocruz

Nesta semana, a Fiocruz lançou a primeira edição do seu Radar Covid-19 nas Favelas. O conteúdo é composto de relatos de moradores, notas de movimentos sociais e coletivos, denúncias e reportagens sobre o contexto enfrentado por territórios de favela e periferia durante a pandemia. Contestação de dados oficiais sobre mortes - que seriam ao menos 34% maiores do que os notificados, segundo a nota técnica assinada pela pesquisadora Nayara Lopes Gomes, doutoranda em epidemiologia pelo Instituto de Medicina social da UERJ, o número de óbitos em domi- cílio quase dobrou em abril e maio. A fonte dos dados é o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM).


O levantamento ainda traz relatos de moradores das favelas do Catiri, Jacarezinho, Manguinhos e Maré, além da seção Debates intitulada “Racismo estrutural, favelas e  saúde mental”. Nela, padre Geraldo Natalino (Padre Gegê) e a conselheira de saúde Darcília Alves discutem as diferentes formas de influência das questões de raça, classe e gênero no viver da favela. O Radar Covid-19 Favelas é um informativo produzido no âmbito da Sala de Situação Covid-19 nas Favelas do Rio de Janeiro.


Quer saber mais sobre o estudo? Acesse clicando aqui.


7 visualizações

O Portal Favelas é uma construção coletiva de moradores de favelas, para falar de e para as favelas, por meio da integração dos diversos canais de comunicação locais ou regionais.

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Twitter